Sindicato participa de reunião sobre ponto eletrônico com taes do DEPA e Progepe

O SINTUFEPE UFRPE vem acompanhando de perto a implantação da fase piloto do sistema eletrônico de frequência que teve início no dia 02/05 em toda universidade. Além dos relatos recebidos pela categoria, estão sendo feitas visitas às unidades acadêmicas para conversar com os técnico-administrativos sobre o assunto e avaliar quais estão sendo as principais dificuldades. Recentemente foram feitas reuniões na Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE), Clínica de Bovinos de Garanhuns da UFRPE, Unidade Acadêmica de Belo Jardim (UABJ/UFRPE) e Estação Experimental de Cana-de-açúcar do Carpina (EECAC – UFRPE).

Já nesta terça-feira (10), O SINTUFEPE UFRPE marcou presença na reunião realizada por uma comissão formada pelos técnico-administrativos do Departamento de Agronomia da UFRPE (DEPA) e a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEPE). Dentre os pontos destacados no encontro, os taes tiraram dúvidas sobre o funcionamento da frequência eletrônica, onde solicitaram uma explanação geral sobre o processo, embasamento legal, escolha do formato etc. Também ressaltaram a falta de infraestrutura para consolidação do sistema; a necessidade de treinamento presencial levando-se em consideração as peculiaridades funcionais dos técnicos; os casos de trabalho que excedem as 8h diárias e aqueles aos finais de semana e feriados; e as dificuldades que algumas pessoas têm em realizar o cadastramento.

Segundo Heitor Barros, técnico-administrativo do DEPA e também coordenador de Comunicação do sindicato, uma das preocupações é que não houve nenhum treinamento por parte da PROGEPE. “Entre as várias dúvidas que surgiram estava para onde se dirigir para bater este ponto, pois precisamos de rede de internet ligada à universidade. E na falta de internet, problema recorrente na universidade, o que fazer? Pois a internet da universidade não funciona em todos locais, como por exemplo, no departamento de agronomia que também não conta com computador, o que dificulta ainda mais”, complementou.

Ao final, encaminhou-se que seja realizada uma nova reunião para tirar dúvidas sistemáticas a respeito do ponto eletrônico.


Voltar