TAEs da Educação de todo o país paralisaram suas atividades na Greve Nacional de 48h

Palestra e mobilização fizeram parte da programação

Nos últimos dias 26 e 27 de novembro, terça e quarta-feira, técnico-administrativos e técnica-administrativas da UFRPE participaram da Greve Nacional de 48h contra as reformas do governo e o desmonte do Estado. A adesão ao movimento foi aprovada em Assembleia Geral Extraordinária realizada na sexta-feira, 22 de novembro.

Na terça-feira (26), representantes da direção e da base visitaram diversos setores da universidade com um panfleto explicativo sobre a pauta do movimento. Já na quarta-feira (27), foi realizada uma palestra sobre os impactos das reformas do Governo Bolsonaro e das Propostas de Emenda à Constituição (PECs) para os servidores públicos federais. A atividade aconteceu no auditório do sindicato e foi ministrada pelo Instituto Latino-Americano de Estudos Sócioeconômicos (ILAESE).

Guilherme Fonseca, do ILAESE, ressaltou a PEC Emergencial (186). Uma das medidas veda o aumento de despesa com pessoal, inclusive o aumento de vantagem, auxílio, bônus, abono, verba de representação e benefício de qualquer natureza. Outros dispositivos impedem reajustes salariais, criação de cargo, emprego ou função que implique aumento de despesa; alteração de estrutura de carreira que implique aumento de despesa; admissão ou contratação de pessoal, a qualquer título; realização de concurso público; e criação de despesa obrigatória; entre outros.

Logo em seguida, o ILAESE falou sobre a Reforma da Previdência, promulgada no dia 12 de novembro de 2019 e abordou pontos como as regras de transição, alíquotas progressivas e as mudanças para pensionistas. Depois foi aberto um espaço para as falas e dúvidas dos participantes, que enfatizaram a importância das entidades sindicais e da união dos técnicos, docentes e estudantes da universidade para barrar os ataques do atual governo e a necessidade de massificar as informações para toda a categoria.


Voltar