TAE’s da UFRPE consideram proposta do governo insatisfatória e aprovam por unanimidade a continuidade da greve

assembleia 01 de julhoA categoria nega a proposta da forma como ela foi colocada pelo governo, 21,3% parcelados em quatro vezes

Em Assembleia Geral Extraordinária, realizada na manhã da quarta-feira (01), no auditório da Pró-reitoria de Atividades de Extensão (PRAE), os trabalhadores em educação da UFRPE aprovaram por unanimidade a continuidade da greve. Durante a ocasião também foi discutida a proposta de reajuste de 21,3% dividido em quatro vezes, considerada extremamente rebaixada pela categoria.

Entre os informes foram discutidos pontos como a rejeição da redução da maioridade penal, FUNPRESP, Súmula Vinculante 51 que determina que o reajuste de 28,86% concedido a servidores militares estenda-se aos servidores civis do Poder Executivo Federal, entre outros.

Logo em seguida, o coordenador geral do SINTUFEPE/UFRPE, Mozart Siqueira, apresentou a proposta do governo para a plenária. De acordo com o que foi apresentado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) em reunião com representantes das entidades do Serviço Público Federal (SPF) no último dia 25 de junho, o reajuste ficará da seguinte forma: expansão acumulado de 2016 a 2019 =  21,3% – distribuído assim:

2016 2017 2018 2019 Acumulado 2016 2019
Reajuste 5,5% 5,0% 4,75% 4,5% 21,3%
Expectativa inflação ipca 5,5% 4.75% 4.5% 4.5% 20.7%
Folha (em % do PIB) 4.17% 4.16% 4.13% 4,07%

Durante a análise de conjuntura foi feita uma avaliação sobre o reajuste proposto. As falações giraram em torno da negação da proposta como ela foi colocada pelo governo – que não cobre os índices inflacionários do país -, além da necessidade de fortalecer o movimento, principalmente em relação à importância da participação dos novos TAE’s. Sérgio Targino, técnico-administrativo da UFRPE, ressalta que apesar da discussão em torno da proposta, a luta da categoria não é apenas voltada para o reajuste salarial e salientou a força dos técnicos na greve: “Precisamos parar com esse argumento de que só conseguimos levar o movimento pra frente junto com docentes. Temos capacidade de construir uma greve forte! Hoje eu sou técnico, fui estudante e sei da importância que temos para as universidades, temos uma grande parcela de contribuição”, afirmou.

Encaminhamentos – 1. Entrega de documento à reitoria solicitando que caso haja qualquer questionamento ou ameaça referente à greve, estes devem ser apresentados ao sindicato que tomará as devidas providências, considerando que esta entidade de classe representa a categoria dos TAE’s (aprovado por unanimidade); 2. Debate sobre Maioridade Penal como uma das ações do CLG (aprovado pela maioria, recebendo votos contra e abstenções); 3. Debate sobre a súmula vinculante 51 como atividade do CLG (aprovado com unanimidade); 4. Rejeitar a proposta do Governo como foi colocada, pois a categoria quer reajuste como a Federação reivindica, além de querer a negociação dos demais pontos da pauta (aprovado pela maioria, recebeu 1 abstenção); 5. Continuidade da greve por unanimidade.

Entenda a proposta do governo: http://www.fasubra.org.br/index.php/fasubra/760-relatorio-da-reuniao-do-forum-dos-spf-s-com-a-srt-mpog 

Matéria publicada no NE10: http://m.noticias.ne10.uol.com.br/educacao/noticia/2015/07/01/servidores-tecnico-administrativos-da-ufpe-e-rural-seguem-em-greve-554560.php

APRESENTAÇÃO PROPOSTA 2016 a 2019

TABELAS 2016 a 2019 PDF

 

 


Voltar